Um ponto de viragem na inclusão financeira

Os consumidores globais procuram hoje a máxima conveniência, à medida que aderem cada vez mais a serviços oferecidos por instituições financeiras, tais como abrir contas bancárias Com uma maior confiança nos canais digitais na sequência da pandemia global e com um aumento considerável do número de Gen Z e de Millennials a entrarem agora no mercado financeiro, estes novos utilizadores esperam procedimentos eficientes, rápidos, fáceis de usar e mesmo remotos que, de outra forma, poderiam desincentivá-los de se envolverem com o ecossistema financeiro.

No entanto, o caso dos consumidores de baixos rendimentos é mais complexo. Para além dos actuais procedimentos ineficientes necessários à adesão a serviços financeiros, estes consumidores incorrem em taxas elevadas resultantes dos enormes custos gerais suportados pelas instituições financeiras para explorarem esses serviços. E enquanto as iniciativas de transformação digital, tais como os bancos móveis e de Internet, dispararam, muitas instituições financeiras ignoraram os passos mais básicos do processo: a digitalização do KYC: Conheça o seu Cliente e os processos de integração de clientes. Hoje, esta é uma das principais razões pela qual os consumidores de baixo rendimento ainda não estão incluídos no ecossistema de pagamentos.

Um ponto de viragem no horizonte
Felizmente, o rápido avanço de tecnologias como a Inteligência artificial (IA) e a Aprendizagem de Máquina (ML) está agora a apresentar às instituições financeiras novas oportunidades para identificar e verificar remotamente os consumidores antes de lhes fornecer serviços financeiros, o que é considerado um ponto de viragem na inclusão financeira: Conheça o seu cliente digital (eKYC)

O eKYC utiliza tecnologias inovadoras como IA, ML, biometria, análise de imagens e reconhecimento óptico de caracteres (OCR) para transformar o processo tradicional de integração de clientes num processo totalmente digitalizado e protegido que reduz significativamente os custos gerais e os esforços demorados. Isso torna os serviços financeiros mais rentáveis para as instituições financeiras e mais acessíveis aos consumidores de baixos rendimentos.

O eKYC também fornece às instituições financeiras uma garantia remota e rápida de que o consumidor é quem afirma ser, com validações e verificações avançadas que atenuam o risco e garantem o total cumprimento dos regulamentos dos bancos centrais e das normas internacionais.

O papel do banco central
Embora os bancos centrais não estejam directamente preocupados com os processos de integração de clientes em instituições financeiras, o seu papel no fornecimento da infra-estrutura geral é fundamental para criar um processo robusto e normalizado de eKYC nacional. Tais infra-estruturas não só melhoram as taxas de inclusão financeira de segmentos não cobertos ou fracamente cobertos por um sistema bancário, como também fornecem aos bancos centrais o controlo total sobre os processos de integração de clientes em todo o sector financeiro. Elimina também os riscos de falsificação de documentos e de fraude, e oferece uma monitorização e visualização completas dos dados dos consumidores.

Um repositório nacional de eKYC
A infra-estrutura pode ser implementada através da ligação das instituições financeiras utilizando soluções eKYC para um repositório nacional de eKYC baseado em blockchain centralizado no banco central.

Este repositório consolida os registos nacionais dos consumidores, incluindo informações pessoais, dados biométricos, documentos de identificação e muito mais. Pode ser acedido através de uma rede de instituições financeiras autorizadas a recolher automaticamente registos de clientes, incluindo todos os documentos relacionados com KYC, para melhorar ainda mais os processos de integração de clientes de forma eficiente e sem papel.

Por conseguinte, as informações e documentos necessários para a integração do cliente só terão de ser fornecidos uma vez pelo consumidor, mas podem ser recolhidos várias vezes por instituições financeiras através do repositório nacional eKYC. Isto elimina os processos eKYC redundantes tanto para instituições financeiras como para consumidores, ao mesmo tempo em que o repositório nacional fornece uma fonte única e verificada de verdade.

O repositório eKYC do banco central também permitirá que as instituições financeiras actualizem os dados do consumidor com toda a facilidade através de APIs abertas sempre que necessário. Isto garante que os registos são sempre precisos e actualizados.

Próximos passos para os bancos centrais
Facilitar a inter-utilização, recuperação e actualização digital dos registos dos consumidores nunca teve a devida prioridade da indústria financeira. Hoje, no entanto, a introdução de um repositório digital, seguro e nacional eKYC é um passo vital e recomendado para unificar o combate ao branqueamento de capitais e ao financiamento do terrorismo (AML/CFT), bem como procedimentos de Customer Due Diligence (CDD) para fortalecer a segurança regulamentar e capacitar os bancos centrais com um controlo melhorado a nível nacional.

Finalmente, chegou um ponto de viragem na inclusão financeira, e os seus benefícios serão regidos pelos bancos centrais, instituições financeiras e pelos consumidores à escala nacional.

Também poderá gostar de

Pagamentos em tempos de pandemia global

Pagamentos em tempos de pandemia global

O COVID-19 está a aumentar a procura do mercado por pagamentos sem contacto e a pressão sobre comerciantes e instituições financeiras está a aumentar. As novas tecnologias de pagamento vêm facilitar opções de pagamento digital que garantem a continuidade dos negócios e a segurança dos cidadãos.

CBDC: A próxima fase do escrutínio

CBDC: A próxima fase do escrutínio

O tiro de partida foi dado pelos bancos centrais para avaliar minuciosamente a emissão da moeda digital do Banco Central (CBDC). Aqui está o que a equipa de especialistas da ProgressSoft tem a dizer sobre esta tecnologia disruptiva.